Tipos principais de pregação

Tipos principais de pregação

Tipos principais de pregação

Enquanto é notoriamente difícil classificar os estilos de pregação, é possível contrastar as convicções e práticas distintivas de quatro tipos principais de pregação bíblica (embora muitos pregadores sejam complexos na prática).

Pregadores mestres

Pregadores mestres têm uma convicção distintiva de que os ouvintes devem compreender as Escrituras. 

Tais pregadores permanecem próximos do texto e explicam o seu significado de forma dedutiva. 

Tipicamente instrucional e doutrinai, essa pregação examina os versículos em ordem lógica. 

Alguns exemplos de pregadores mestres são John Stott, John Ortberg, Timothy Keller, Jack Hayford e John MacArthur. 

Freqüentemente racionais no estilo, pregadores mestres querem tornar as informações compreensíveis. 

Uma forma de sermão freqüentemente usada por pregadores mestres é a exposição versículo por versículo.

Pregadores mensageiros

Pregadores mensageiros têm uma ênfase distintiva na capacitação de Deus tanto das Escrituras como do próprio evento da pregação. 

Embora tal pregação compartilhe características dedutivas e proposicionais em comum com o ensino, ela soa bem diferente. 

Pregadores mensageiros freqüentemente são dramáticos no estilo. 

Enquanto pregadores mestres usam a parte esquerda do cérebro, referindo-se a pequenos detalhes e construindo seus sermões com muitos tijolos, pregadores mensageiros usam o cérebro direito, usando alguns blocos de construção grandes. 

Freqüentemente, pregadores mensageiros apresentam algumas questões audaciosas e chamam para uma reação holística. 

Exemplos de pregadores mensageiros incluem Billy Graham, Gardner Taylor, Jeremiah Wright, Robert Smith Jr., o reformador Martinho Lutero e Karl Barth.

Pregadores indutivos

Pregadores indutivos têm uma convicção distintiva de que as necessidades dos ouvintes são mais importantes e que a pregação precisa ser relevante para eles. 

Em contraste marcante com a pregação dedutiva dos mestres e mensageiros, esse estilo tem uma dinâmica indutiva que parte de onde as pessoas estão e volta às Escrituras para achar o texto apropriado. 

Tal pregação indutiva pode ser evangelística (como acontece com a orientação de “necessidades sentidas” ou com a pregação sensível aos que buscam), apologética (defendendo o cristianismo contra doutrinas falsas), pastoral (suprindo as necessidades da congregação ou sociedade), ou política (chamando a atenção para temas atuais). 

Exemplos de pregadores indutivos incluem Bob Russell, John Maxwell, Brian MacLaren, Rick Warren e Bill Hybels.

Veja também o que é e como fazer pregação temática.

Pregadores narrativos

Pregadores narrativos têm uma convicção distintiva de que os sermões devem ter um formato de história que cativa os leitores em uma experiência da verdade de Deus. 

Embora a maioria dos pregadores use histórias, esse tipo de pregação presta atenção particular no padrão em que ouvintes ouvem e planeja sermões apropriados. 

Com suas raízes na narrativa das Escrituras e, especialmente, nas parábolas de Jesus, ela recentemente ganhou popularidade. 

Exemplos notáveis de pregadores narrativos são Calvin Miller, Max Lucado, Lee Strobel, Barbara Brown Taylor e Eugene Lowry. 

Esses diferentes tipos são expressos ao longo da história da pregação por pregadores e escolas de pregação.